16 de maio de 2011

Bioquímica Sérica em Medicina Veterinária

Fonte: Corbis.com


Tubo que deverá ser usado para coleta da amostra = Tampa vermelha;
Quantidade de amostra = Deverá ser calculada com base na quantidade de análises solicitadas;
Armazenamento = Manter resfriado (Não congelar antes de separar o soro);
Tempo de Análise = Após recebimento de amostra, no máximo 24 horas.
Método de Análise = kits Comerciais (Método Enzimático, Colorimétrico ou ainda Cinético).
As análises podem ser feitas a partir de amostra em tubo de tampa roxa ? = Não recomendado, mas caso não haja interferência do EDTA na atividade enzimática, sim, pode-se realizar a análise.
Evitar hemólise e Lipemia.


Tubos de coleta de amostra para análises bioquímicas como ALT, AST, Creatinina, Uréia, FA, GGT, Triglicerídeos,  Bilirrubina, Proteína Total, Albumina.
Fonte: Arquivo Pessoal, 2011.






Enzimas associadas com danos Hepatocelulares


1. ALT / Alanina Aminotransferase / Transaminase glutâmico-pirúvica sérica


- Possui como principal fonte em cães e gatos, os hepatócitos, sendo dessa forma, considerada como melhor teste para detecção de dano hepático. Porém, em equinos, suínos, ruminantes e aves, as quantidades de ALT são menores nos hepatócitos, dessa forma, esta enzima não é considerada hepatoespecífica para estas espécies.
- Como fontes secundárias de ALT, tem-se ainda as células renais, musculatura esquelética e pâncreas.
- Fatores que podem aumentar falsamente a [ALT] = Hemólise ou Lipemia da amostra.
- A diminuição da [ALT] pode dar-se por gestação, nutrição inadequada, falha renal, cefalosporina...
- O aumento da [ALT] está associada à extensão da lesão, não a gravidade, pois envolve a mensuração da quantidade de células envolvidas na lesão, e não o grau de envolvimento de cada uma delas. Como fatores de aumento da concentração desta enzima, tem-se drogas como Acetaminofeno, Barbitúricos, Glicocorticóides, Cetoconazol, Mebendazol, Fenobarbital, Fenilbutazona, Primidona e Tetraciclina. Substâncias químicas como fenóis e alcatrão também promovem aumento na concentração enzimática. Plantas tóxicas e Aflatoxina também induzem aumento da concentração.
- Na análise dos resultados, levar em conta que a ALT tem um pico de liberação no sangue por 3 ou 4 dias após a lesão, mas retorna aos valores basais cerca de 2 semanas após. Dessa forma, tem-se que a persistência do aumento, sugere patologia crônica (neoplasia ou hepatite).
- Ainda como causas possíveis de aumento de [ALT] tem-se shunts portossistêmicos, lipidose hepática, pancreatite aguda, hepatites tóxicas, hepatites infecciosas (leptospirose, peritonite infecciosa felina), hipóxia e febre.
- Meia vida da ALT em cães = 2,5 dias.
- Meia vida da ALT em gatos = 5 dias


2. AST / Aspartato Aminotransferase / Transaminase glutâmico-oxaloacética sérica


- Encontra-se presente em hepatócitos, eritrócitos, músculo cardíaco, musculatura esquelética, rins e pâncreas. Não pode ser considerada hepatoespecífica, pois o aumento da [AST] pode se dar por dano hepático inespecífico, exercício extenuante ou injeção intramusculas.
- Pode ser usada em conjunto com a Creatinina quinase (CK) e Lactato Desidrogenase (LDH), fazendo-se então diferenciação de quando há dano muscular ou hepático.
- Hemólise e Lipemia da amostra promovem falso aumento da [AST].
- Plantas hepatotóxicas que podem causar necrose hepática (Cestrum parqui, Xanthium cavalinesii), ou ainda plantas que causam extensa necrose muscular (Senna ocidentalis) provocam aumento da AST.
- Outras possíveis causas de aumento da [AST] = Deficiência de vitamina E e selênio (causa necrose segmentar dos músculos esqueléticos), endocardite bacteriana, dirofilariose, trombose aórtica, infarto do miocárdio, patologias do SNC.
- Meia vida no cão = 5 a 12 h.
- Meia vida no gato = 2h.


OBS: Em animais de grande porte, a AST em associação com CK, permite uma excelente avaliação de dano hepático, pois AST significativamente aumentada e CK com valores normais, indica claramente lesão hepática.


3. SD / Sorbitol Desidrogenase


- Possui os hepatócitos como fonte primária.
- É uma enzima instável no soro sanguíneo pois sua concentração diminui rapidamente com o passar do tempo. A avaliação deverá ser feita em no máximo 12 horas após a coleta da amostra.
- Presença de hemólise não afeta os resultados.
- Pode substituir a avaliação de GLDH em ruminantes.
- Particularmente usada em equinos para diagnosticar lesão hepatocelular aguda.


4. GD / GLDH / Glutamato Desidrogenase


- O aumento da GD em ovinos e bovinos, indica danos ou necrose hepatocitários.
- Aumento da [GD] está presente no parto ou ainda quando houver obstrução de ducto biliar.
- Boa para diagnosticar animais infestados por Fasciola hepatica, pois aumenta em 2 semanas, enquanto a GGT aumenta só após a sexta semana de infestação (diagnóstico tardio).






Enzimas associadas com Colestase




1. FA/ ALP/ Fosfatasee Alcalina


- Presente em osteoblastos, tecido ósseo, condroblastos em tecido cartilaginoso e em células do sistema hepatobiliar.
- Em animais jovens, a FA tem origem em sua maioria, nos osteoblastos e condroblastos (devido ao desenvolvimento do animal), enquanto que em animais idosos, a maioria da FA vem do fígado.
- FA é bem usada para detectar colestase em cães e gatos. Não é muito útil em bovinos e ovinos, pois há normalmente variações na concentração plasmática.
- EDTA e Oxalato não devem estar presentes na amostra.
- O aumento da [FA] pode ser induzido por corticosteróides em cães com hiperadrenocorticismo, cães em tratamento ou estressados. Drogas como Esteróides, Barbitúricos, Cefalosporinas, Fenobarbital, Fenotiazinas, Fenilbutazona, Tetraciclinas, Tiabendazol e Halotano, também induzem o aumento da ALP.
- Outra possível causa de aumento de ALP = Deficiência de Cálcio.
- Felinos possuem menor quantidade de ALP hepatocelular, sendo rapidamente eliminada pelos rins, sendo mais específica. Corticosteróides não induzem aumento de ALP nesta espécie.


2. GGT / Gama Glutamiltranspeptidase


- Possui como fonte primária, o fígado.
- Como fontes diversas = Rins, pâncreas, intestino.
- O contato prolongado com eritrócitos pode afetar os resultados. 
- Como causas para aumento de [GGT], tem-se hepatopatias (principalmente as obstrutivas), em cães, o uso de Prednisolona pode aumentar falsamente a concentração desta enzima, não significando presença de colestase.
- Pode-se usar a GGT para avaliar a ingestão de colostro em filhotes de bovinos e ovinos, pois a GGT é transferida por ele.
- Vacas leiteiras com lipidose hepática também apresentam elevação na atividade da GGT.
- Os níveis de GGT aumentam antes dos danos hepáticos serem evidentes; sendo considerada então, como enzima importante no diagnóstico de formas anictéricas ou assintomáticas de doença hepática. Se os valores dobrarem acima do valor de referência, deve considerar-se a possibilidade de danos do parênquima hepático.




Paramêtros usados na avaliação de dano Renal




1. Uréia


- Para que haja detecção de alteração nos valores da uréia sérica, deverá haver cerca de 75% de tecido renal acometidos e não funcionais.
- Dietas ricas em proteínas podem causar elevação do nível de uréia sanguínea.
- É formada no fígado e excretada pelos rins.
- Quando houver aumento, pode-se avaliar excreção prejudicada, por nefrite aguda, por exemplo.


2. Creatinina


- Formada a partir da creatina, que é encontrada na musculatura esquelética.
- A creatinina no sangue é filtrada através dos glomérulos e eliminada na urina. Como a uréia, não é um bom indicador de dano renal, pois só haverá aumento na concentração sérica quando no mínimo 75% do tecido renal estiver acometido ou não funcional.
- Dieta rica em proteínas não tem grandes efeitos sobre o aumento da [Creatinina].


Dosagem Creatinina.
Fonte: Arquivo Pessoal, 2011.






Enzimas para avaliação de dano Pancreático




1. Amilase


- Fonte primária = Pâncreas.
- A elevação no nível sanguíneo nem sempre é diretamente porporcional à gravidade da pancreatite.
- O aumento da [Amilase] dá-se por pancreatite aguda, acessos de pancreatite crônica ou ainda, obstrução de dutos pancreáticos.
- Anticoagulantes conjugadores de Ca {ex:  EDTA} não devem ser usados pois o Cálcio é necessário para a atividade da amilase.
- Hemólise na amostra aumenta falsamente a Amilase.
- Grande parte da Amilase sanguínea é removida pela filtração renal, então, em casos de hiperamilasemia pode ser que haja também lesão glomerular. Se esta causa for removida, a especificidade para lesão hepática torna-se grande.
- Pancreatite = Considerar quando o valor ultrapassar de 3 a 4 vezes os valores máximos de referência para cães e gatos.


2. Lipase


- Fonte primária = Pâncreas.
- Degrada os ácidos graxos de cadeia longa dos lipídeos.
- Aumenta durante pancreatite.
- Não se deve usar anticoagulantes conjugadores de Cálcio, pois a Lipase também necessita dele para realizar suas atividades.
- Evitar presença de hemólise e lipemia na amostra, pois se estiverem presentes, os resultados serão alterados falsamente.
- A concentração da Lipase pode também aumentar por doenças hepáticas e renais; e ainda devido a manipulação de vísceras durante cirurgias.
- Dexametasona = Há relatos de que seu uso possa induzir aumento na Lipase.




Enzimas para avaliação de dano Muscular




1. CK/ Creatina Quinase


- Fonte primária = Células da musculatura estriada, cérebro.
- CK + AST.
- Não consegue determinar qual músculo está danificado, nem a gravidade do dano.
- Possíveis causas de aumento = Injeção intramuscular, decúbito persistente, cirurgia, exercício vigoroso, choque elétrico, laceração, equimose, hipotermia ou ainda, miosite.
- EDTA, Citrato e Fluoreto; Exposição à luz solar ou atraso na análise provocam também aumento da CK.
- Amostras não devem ser congeladas = Assim que receber a amostra, fazer a análise.
- Leptospirose e Lúpus eritematoso sistêmcio = Aumenta CK.
- Pico de CK no soro após infarto cardíaco em 24h = 5 a 8 vezes o limite normal = Diminuindo 3 a 4 dias depois.


2. LDH/ Lactato Desidrogenase


- Presente principalmente na musculatura esquelética, cardíaca, no fígado e eritrócitos. Também está presente nos rins, ossos e pulmões.
- Qualquer hemólise é prejudicial, pois o rompimento de eritrócitos libera o LDH, aumentando falsamente os valores da amostra.
- Lesão muscular, deficiência de vitamina E, deficiência de Selênio = Aumentam LDH.
- Pode ser usada para avaliar cardiomiopatias (isquemia, endocardite bacteriana, dirofilariose, trombose aórtica, infarto do miocárdio).
- O aumento da LDH em grandes animais pode ocorrer por problemas hepáticos como colelitíase, fasciolose e insuficiência hepática.
- LDH + CK + AST = Monitoramento da intensidade de exercícios de equinos.




Observação: Após exercícios, AST e LDH estão aumentadas, porém conforme o animal for se acostumando com os treinos, esses valores tendem a se normalizarem com o passar dos dias.
________________________________________________________________________________


REFERÊNCIAS


BALARIN, M. R. S.; LOPES, R. S.; KOHAYAGAWA, A.; LASPOV, C. B.; FONTEQUE, J. H. Avaliação da glicemia e da atividade sérica de aspartato aminotransferase, reatinoquinase, gama-glutamiltransferase e lactato desidrogenase em eqüinos puro sangue inglês (PSI) submetidos a exercícios de diferentes intensidades. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 26, n. 2, p. 211-218, abr./jun. 2005. Disponível em <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/semagrarias/article/viewFile/2294/1974>.


HENDRIX, C. M. Procedimentos Laboratoriais para Técnicos Veterinários. 4ª ed. São Paulo: Roca, 2006. p. 524- 52

SCHEFFER, J. F.; GONZÁLEZ, F. H. D. Enzimologia clínica em medicina veterinária. Disponível em <http://www6.ufrgs.br/favet/lacvet/restrito/pdf/rev_jfss.pdf>.



_______________________________________________________________________________
OBS: Todas as fotos deste POST referenciadas como arquivo pessoal, foram tiradas por mim, durante serviços prestados ao Animallab (www.animallab.com.br).
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...