26 de novembro de 2012

Quimioterapia na Veterinária: Quando e como Usar


- Quimioterapia isolada: Sem associação com outros métodos;
- Quimioterapia adjuvante: Procedimento complementar a outra terapia local ou regional;
- Quimioterapia neoadjuvante: Procedimento complementar, utilizado antes do tratamento local ou regional;
- Quimioterapia curativa: Objetiva a cura;
- Quimioterapia paliativa: Visa o aumento da sobrevida ou melhorar qualidade de vida. Não cura.

Quimioterapia Curativa

Isolada: Usada nos casos de neoplasias altamente sensíveis à ela. Função de cura ou melhoria de vida.

Adjuvante: Associada principalmente à cirurgia. Procedimento normalmente é um tratamento local ou regional de tumor ou nódulos linfáticos. Ação sistêmica: Impede a evolução local (recidiva) e as sistêmicas (metástases).

Indicações: Proposta após tratamento cirúrgico local, quando a histologia indicar predisposição à metástase, mas com balanço de extensão negativo.
                Para impedir recidiva: radioterapia
                Osteossarcoma de apêndice em cão (amputação + cisplatina)
                Adenocarcinoma mamário grau 3 em cadela
                Hemangiossarcoma esplênico em cão
                Neoplasia de ovário (adenocarcinoma)
                Mastocitoma grau I, II e III em cão.
   = Fundamental análise histológica

Intensidade da adjuvante deve ser máxima. Preferível uso de poliquimioterapia. Iniciar o mais rápido possível logo após cirurgia.

Vantagem: Preococidade da utilização frente à evolução do tumor. O animal não estará tão debilitado quando for receber a quimio, dessa forma, será mais tolerante quanto aos efeitos colaterais.

Neoadjuvante: Para redução de volume tumoral antes de cirurgia = melhora condição cirúrgica e assegura exérese correta. Permite avaliação de eficácia de protocolo e tratar precocemente disseminação metastática.


Quimioterapia Paliativa

- Aplica-se à neoplasias  que já evoluíram para metástases ou tumores multicêntricos. Não cura.
- Prolonga sobrevida e a torna melhor.
- Necessário que o proprietário aceite (mesmo com todos os contras), caso contrário, não pode ser instituída.
- Se os efeitos colaterais forem mais significativos que o benefício do tratamento, ou seja, não bem suportada, deve ser interrompida.

- Indicações: Tumores inoperáveis, tumores com expansão positiva, recusa de cirurgias, linfomas e leucemias.


Poliquimioterapia

- Combina drogas antineoplásicas devido a existência de tumores resistentes.
- Até 7 substâncias podem ser combinadas, desde que isso seja feito de modo correto.
- Todas as moléculas usadas devem ser ativadas isoladamente no tumor; usar drogas que não apresentem toxicidade cumulativa com outras drogas; o intervalo de adm entre drogas deverá permitir a recuperação do organismo.
- Cooperação cinética = recrutamento e sincronização.


Para realizar a Quimioterapia

- Assegurar-se da necessidade; obter aceitação do proprietário; realizar o protocolo escolhido adequadamente; assegura a devida monitoração.
- Avaliar estado geral do paciente (Doxirrubicina: cardiomiopatias; Cisplatina: IR); verificar funções metabólicas para ajuste de posologia;
- Natureza histológica do tumor = prever resistência ou sensibilidade à quimioterapia;
                                              = permite antecipar a evolução da neoplasia e sua tendência à recidiva local ou risco de metástase.


Proprietário

- Discutir custos: Preço da droga + Custo da adm + Custo de controles + Custo de monitoração
- Estar convencido para convencer
- Explicar
- Dar prazo para decisão
- Entender recusa e aceitar


Quimioterapia Eficaz

- Empregá-la o mais rápido possível
- Adequar dose em razão da integridade do metabolismo do animal. Sempre pesar o animal entre duas sessões.
- Respeitar intervalo entre adm's pois células saudáveis também são atingidas e precisam ter tempo para serem repostas. Observar que a destruição de células cancerosas deve ser superior à sua proliferação.
- Para permitir recuperação da MO, aplicar doses elevadas com intervalos mais longos quando possível.
- Intervalo de 3 semanas entre sessões para a maioria das drogas.
- Respeitar via de adm.
- Escolher o produto mais eficaz de acordo com cada tipo particular de tumor (natureza histológica e localização deverão ser levadas em consideração).
- Monitorar adequadamente: Controle de toxicidade e verificação de eficácia de tratamento.
- Não prolongar quimioterapia quando há risco de morte do animal, efeitos colaterais intoleráveis, ineficiência, dose cumulativa prejudicial sem remissão completa ou ainda quando outro procedimento puder ser adotado.


Manipulação de Quimioterápicos

Para médicos veterinários

- Fazer aplicação em ambientes sem passagem de ar, sobre mesa de fácil limpeza;
- Ser organizado durante os procedimentos;
- Usar dois pares de luvas;
- Aventais de mangas longas;
- Máscara e óculos;
- Recobrir superfície onde o paciente estará com ao menos uma camada de papel absorvente;
- Não manipular próximo ao rosto;
- Envolver frascos com compressas antes de abrir;
- Descartar materiais em local adequado;
- Limpar rapidamente a mesa após uso;
- Lavar mãos após uso;
- Usar luvas e máscara para limpeza de excrementos.


Para proprietários

- Nunca abrir cápsulas ou fracionar comprimidos;
- Utilizar luvas quando for recolher excrementos do animal;
- Ligar de imediato para o veterinário responsável caso algum sinal apareça;
- Aferir temperatura corporal de manhã e a noite e ligar para o veterinário caso haja febre;
- Doxorrubicina: Causa urina avermelhada após seu uso principalmente em gatos



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...